terça-feira, 31 de maio de 2011

Morgan Stanley report on Vale´s move in Fertilizers (Ja., 15, 2010)

Vale: Positive move
We see this as a positive move given the growth expectations of the fertilizer business in Brazil (and the world), the high profitability of the business and the stage of the pricing cycle.
However, we need to see final valuation to have a stronger view on the implications of the deal.
Strategic sense
Vale is seeking to acquire all of Bunge's phosphate mining assets and processing plants in Brazil, plus its stake in Fosfertil.
This deal is in line with Vale's strategy to become a leading global producer in the fertilizer industry. The company has a very constructive outlook for fertilizer over the coming years on
the back of increasing demand for proteins in EM and biofuels.
The distribution business is not included in the negotiations, which are well advanced.
Not a new business for Vale
Vale currently operates the Taquari-Vassouras potash deposit in Brazil producing ~600,000 metric tons per year. The company is evaluating potash projects in Brazil (Carnalita) and Argentina (Neuquén), and it is developing the Bayóvar phosphate project in Peru, expected to come on stream in 2H10, with an estimated capacity of 3.9 Mtpy. In January of 2009, Vale acquired two early exploration projects from Rio Tinto (The Rio Colorado project in Argentina, and the Regina
project in Canada) for US$850M.
Deal structure and some valuation references
Other than stating the transaction should not exceed US$3.8B, Vale did not mention anything else in terms of valuation and they still don’t know the final structure of the potentially new
acquired company. According to the company, if the 4 Fertilizers transaction takes place, it would likely be financed 100% in cash. As of 3Q09, Vale had a cash balance of US$13B and a
net debt/EBITDA of 0.86x, making funding not a concern, in our view.

Venda da Copebrás (há um mês e pouco atrás, pelo Estadão)

25 de abril de 2011 | 0h 00- O Estado de S.Paulo
Anglo American leiloa a Copebrás

Há pouco mais de um ano, a mineradora Anglo American anunciou um plano global de reestruturação. Entre os ativos colocados à venda estava a Copebrás, fabricante de fertilizantes do grupo no Brasil. Só agora, porém, a empresa deve ter o seu destino definido. Segundo o Estado apurou, a Anglo American manteve negociações exclusivamente com a Vale entre o ano passado e cerca de três semanas atrás. A brasileira chegou a fazer uma proposta, mas o valor foi muito inferior ao que a Anglo esperava.
A negociação também emperrou em outro ponto. A Vale mostrou-se interessada em uma mina de nióbio da Anglo que foi retirada da mesa.
Diante do impasse, a Anglo abriu o processo de venda para outras empresas. Entre os interessados, segundo um executivo próximo, estariam a CSN, o Grupo Votorantim e um grupo chinês. A própria Vale acompanha o processo.
Procurada, a Anglo American informou que "venderá a Copebrás em um momento propício, a fim de maximizar o valor desses ativos" e que não comenta especulações.

IFA position on the "phosphate peak theory"

Phosphorus is essential to virtually all living organisms. It is one of the three macronutrients that crops require in large amounts in order to grow. Phosphorous fertilizer products, either raw or processed, are a key input used by farmers around the world to improve agricultural production and ensure food security.
Phosphate rock is the primary source of phosphorus and the main raw material from which phosphorus fertilizer products are obtained. However, it is important to distinguish between phosphate rock and phosphorus:
Phosphate rock is a non-renewable resource. It has taken millions of years for the rock to be formed through geological cycles and events.
Phosphorus, on the other hand, is a renewable resource that can be re-used within economic and technical limits.
Concerns have been expressed about a possible “peak” in world phosphate rock production, which – hypothetically – could contribute to rising agricultural commodity prices and to food insecurity. In the past five years, based on several articles and studies, there has been speculation that world phosphate rock production might peak before mid-century due to the potential for increased phosphate fertilizer consumption in developing countries, resulting in eventual depletion of known reserves during the following decades.
Many experts do not agree with the “peak phosphate” theory. For example:
Phosphate rock reserves are a dynamic concept. The level of these reserves is regularly revised upward with deposit discoveries, technical evolution, and increases in commodity prices.
Modelling of future phosphate rock demand has not been adequate to establish how quickly reserves could be exhausted. Most models have not considered soil phosphorus dynamics, or the need to build soil phosphorus levels up to a critical level at which phosphorus use efficiency by plants would be optimal.
Predictions of “peak phosphorus” ignore the practicality and economic feasibility of phosphorus recycling and re-use.

> See the IFDC report for a discussion of these definitions.
In response to a lack of up-to-date information, the International Fertilizer Development Center (IFDC) carried out a study, World Phosphate Rock Reserves and Resources, that reassessed the phosphate rock reserves and resources of important phosphate-producing countries. This study, released in September 2010, concluded that global phosphate rock resources suitable for phosphate-based products, including phosphate fertilizers, were far more extensive than previously estimated. At current extraction rates, these resources would be available for several centuries. A few months later, in January 2011, partly based on information in the IFDC report, the United States Geological Survey (USGS) updated its widely used estimate of world phosphate rock reserves from 16 billion tonnes (the 2010 estimate) to 65 billion tonnes. This estimate is in line with the IFDC report’s world phosphate rock reserves estimate of 60 billion tonnes.
IFA supports the conclusions of the IFDC report that the world is not facing a peak phosphate event. The 2011 USGS estimate of world phosphate rock reserves also supports the conclusions of the IFDC report.

Should “peak phosphate” be considered an urgent issue?

According to the IFDC report, there is no indication that phosphate rock production will peak in the next decades or during this century. Based on a review of publicly available information from the scientific literature, the report presents an up-to-date assessment of long-term phosphate rock reserves and resources in key producing countries. Furthermore, it suggests that existing resources and yet-to-be-explored sources not taken into account in the report could add substantial additional tonnage to this assessment. The report calls for a collaborative research effort to pursue a more detailed and accurate estimate of world phosphate rock reserves and resources. The IFDC will be conducting a second phase of their report covering these gaps.

The fertilizer industry is committed to the sustainable use of all phosphorus resources. It encourages research and best nutrient management practices for better recycling of all safe phosphorus sources of organic and inorganic origin.

> Fertilizer Best Management Practices (FBMPs)
Based on these recent assessments by IFDC and the USGS of world phosphate rock reserves (and of current phosphate consumption), IFA does not believe that peak phosphorus is a pressing issue, or that phosphate rock depletion is imminent. Nevertheless, it believes that efforts to minimize phosphorus losses to the environment and optimize phosphorus use should be encouraged.
It is important to note that research so far has focused on a possible peak in phosphorus supply. However, a potential peak in phosphorus demand should also be investigated. Since phosphorus accumulates in agricultural soils, phosphorus requirements do not increase linearly with agricultural production. There is a need to increase phosphorus levels to a critical level that optimizes phosphorus availability to plants while maintaining soil fertility. The steady improvement of soil phosphorus levels in Asian and Latin American countries, possibly leading to a peak in world phosphate fertilizer demand by 2050, is a scenario that has so far been overlooked. IFA has established an industry-wide task force on Phosphate fertilizer demand looking at different consumption scenarios.

Economical importance of Phosphoric Acid

Chemical Products: Product category breakdown

Sales of the chemical business can be divided into a few broad categories, including basic chemicals (about 35 to 37 percent of the dollar output), life sciences (30 percent), specialty chemicals (20 to 25 percent) and consumer products (about 10 percent).
Basic chemicals, or "commodity chemicals" are a broad chemical category including polymers, bulk petrochemicals and intermediates, other derivatives and basic industrials, inorganic chemicals, and fertilizers.


P2O5 consumption
Year Amount
2002 33,909,750
2003 36,338,121
2004 40,061,881
2005 40,061,908
2006 40,533,758
2007 40,897,482
2008 36,624,212

K2O consumption
Year Amount
2002 24,000,714
2003 25,340,784
2004 23,531,914
2005 27,537,838
2006 29,183,497
2007 30,935,836
2008 26,036,512

N2O consumption

segunda-feira, 30 de maio de 2011

Anglo comprou as ações da Elko na Copebrás

Desde a sua fundação, a Copebrás teve um sócio minoritário, o Sr. Joseph Michaan, que detinha até março de 2011, 27% do capital da empresa.
Agora a Anglo American é dona de 100% do capital da empresa.
Por outro lado, a Copebrás foi completamente "desconectada" das demais atividades da Anglo American no Brasil (que hoje são focadas em duas unidades de negócios, a de Níquel e a Minério de Ferro).
Dessa forma é de se esperar que em breve haja um desenlace para a venda da Copebrás.
Diz-se que uma estatal chinesa estaria interessada, que a AMA (Associação dos Misturadores de Adubos) também vê com bons olhos essa oportunidade de se vertilicalizar, que os egípcios da Orascom e os israelenses da ICL nunca desistiram do negócio.
Quando a Vale fez a oferta (aceita em 2009 pela Anglo) o valor da Copebrás estava em U$1,2 bi. No começo de 2009 (com a crise financeira) falou-se em apenas US 600 mi, e agora fala-se em US 1,5 bi. O Brasil tá valendo!

Paranapanema seeks sale of fertilizer unity

By Luciana Magalhaes April, 21
RIO DE JANEIRO (MarketWatch) -- Paranapanema S.A. , leader in the production of refined copper in Brazil, has hired Banco Alfa and consulting group Stratus to arrange the sale of its fertilizers company, Cibrafertil.
According to Chief Executive Luiz Antonio Ferraz Jr., the groups will send letters to potential buyers by the end of the month. "We want to sell the whole company... at the right time for the right price," Ferraz told Dow Jones Newswires.
Cibrafertil is part of the fertilizer division of Paranapanema, which holds 99.84% of its total capital.
According to Ferraz, Paranapanema has already had talks with possible buyers, but he declined to name them. "This is an asset that could be strategic for other groups," he added.
Paranapanema hopes to take advantage of the wave of global consolidation in the fertilizer industry, with mining and agricultural groups racing to snap up fertilizer concerns as global demand grows apace for crop nutrients to boost food output.
For Paranapanema, however, fertilizers is no longer a strategic investment area, as the company wants to focus on the metal businesses, Ferraz said.
The proposed sale of the fertilizers unit is linked to new government rules which limit investments in stock by pension funds, including Banco do Brasil SA's (BDORY, BBAS3.BR) Previ, which is Paranapanema's largest shareholder, according to a Banco do Brasil officer who declined to be named. The new laws aim to boost pension funds' investments in real estate, considered safer investments.
Pedro Galdi, analyst with SLW Brokerage in Sao Paulo, says Cibrafertil would be an interesting asset if sold in combination with copper assets. Alone, it would be a more difficult asset to sell, he said.
Cibrafertil, which produces superphosphates, gets sulphuric acid, a key raw material, by pipeline directly from Paranapanema's Caraiba Metais copper smelter, located alongside the fertilizers unit in Bahia state, northeast Brazil. That suggests direct synergy between the two plants. Sulphuric acid is a by-product of copper smelting.
According to Ferraz, none of the copper assets will be involved in the sale. However, an agreement could be struck between Paranapanema and the buyer regarding the sale of the sulphuric acid, he said.
Cibrafertil is a relatively small company, producing some 300,000 metric tons a year of fertilizer products. Last year, it had net revenue of BRL 65.5 million ($41.2 million), up 15.7% from 2009.
In 2008, Brazilian mining company Vale SA (VALE, VALE5.BR) considered buying some of Parapanema's assets, including Cibrafertil. Last year, Vale also made an unsuccessful public tender offer to acquire up to 100% of Paranapanema's shares.
Vale declined to comment on whether it would be interested in buying the fertilizer assets alone.
Cibrafertil was founded in 1994 to supply single superphosphate to the fertilizer industry. Nowadays, it also produces more-complex fertilizers, such as NPK.
Proceeds from the sale would be used to reinforce Paranapanema's strategic plan to focus on copper and also to establish a new plant for precious metals. In early 2011, Paranapanema approved a plan to invest BRL702 million in the 2011-2013 period.
"It is a new phase for the company. Since 1996, we have basically invested in maintaining the plants," Ferraz said. "We have also invested in tin, but the tin assets were sold in 2008."
Of the total planned investment, BRL290 million will be devoted to expansion and renovation of the Bahia copper smelting facilities. The capacity of the plant will be raised to 280,000 tons a year from 230,000 tons.
The company will also build a plant to refine precious metals--such as gold and silver--that are also byproducts of the copper processing.
Since 1996, the company has been controlled by state pension funds including Previ and Petros, and by the holding company of the Brazilian Development Bank, BNDESPar.
Ferraz says Paranapanema does not have plans to go to the capital markets to finance its expansion.
Besides its own cash flow, the company intends to seek financing from BNDES and Banco do Nordeste do Brasil SA (BNBR4.BR).
Paranapanema is also focusing heavily on the domestic market in Brazil, where it sees demand for copper growing 7.5% this year, as more copper is used in electricity cabling and the construction sector.
"Nowadays, 70% of our primary copper is sold in the domestic market," Ferraz said.
To expand its sales, the company is also firming up agreements with smaller copper-producing companies in Brazil. The idea is to have a small share in these companies, helping them grow and buying the copper they produce.
A few non-disclosure agreements with small companies have already been reached, he said.

sábado, 28 de maio de 2011

Luiz Manuel Pinto de Queiroz

Fluminense de Campos dos Goytacazes, Luiz de Queiroz estudou Farmácia em Ouro Preto e depois começou a vida como prático de farmácia em Sorocaba.
Em 1894 iniciou seu primeiro negócio: a Drogaria Americana, na Rua Libero Badaró, no Centro de São Paulo. Chegou a ser o maior importador de fármacos do Brasil, abastacendo as farmácias de manipulação pelo país a fora.
Sua drogaria e comércio de químicos evoluiu da QUEIROZ MOURA E CIA., destinado a fabricar produtos farmacêuticos a base de extratos vegetais para a L. QUEIROZ & CIA., posteriormente para SOCIEDADE ANÔNIMA PRODUTOS QUÍMICOS L.QUEIROZ, que atualmente corresponde à ELEKEIROZ S.A., indústria química que teve seu controle transferido para o Banco Francês e Italiano para a América do Sul, posteriormente para Edgard de Azevedo Soares e posteriormente para Itaúsa Investimentos S.A. O setor de fertilizantes dessa empresa foi incorporado na década de 90 à Bunge.
Fez parte, quando de sua fundação, da comissão para elaboração das bases definitivas da “Escola Livre de Pharmacia” em 1898, atual Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo, de onde foi professor no curso de “Chimica Industrial com aplicação à Pharmacia”.
Estabelecido como cafeicultor, doou parte de suas terras para a USP instalar em Piracicaba uma escola de agricultura nos moldes das existentes nos Estados Unidos.
E a Esalq -USP (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) foi e é uma meca onde se concentraram grandes cientistas. Testando na prática do campo as teorias científicas mais avançadas, os agrônomos de Piracicaba desenvolveriam "receituários agronômicos" que geraram parte da evolução da agricultura brasileira.
Sem os valorosos agrônomos (formados sob a visão de futuro de Luiz de Queiroz) os esforços de nós, "outros engenheiros" e demais envolvidos na indústria de fertilizantes, de nada valeriam. Eles são a ponte entre as minas, as fábricas, os agricultores e a nutrição balanceada das plantas em si!

Os fosfatos brasileiros e a importância de Paulo Abib Andery

As primeiras fábricas de ácido fosfórico no Brasil foram projetadas para usar fosfato da Flórida (EUA) ou de Marrocos.
Dispunha o Brasil de fosfatos de baixo teor que não tinham sido estudados em plantas pilotos, menos ainda em produções em escala comercial, pois seu beneficiamento era "difícil".
Professor da Engenharia de Minas da USP, o Professor Paulo Abib (*1922, Pouso Alegre - MG, +1976, São Paulo) trabalhou para a Serrana em Cajati e em 1961 desenvolveu um método de flotação (usando amido modificado como depressor do carbonatito e sais de ácidos graxos como coletor de apatita).
Esse métdo seria depois replicado (sem royalties) para os fosfatos mineiros e goianos, permitindo o nascimento da Fosfértil (ex Valefértil), o desenvolviemtno da Arafértil e da Copebrás.
Também foi aplicado em corpos minerais semelhantes na África, Europa e Américas.
Empreendedor, o Professor fundou e geriu duas grandes empresas (a Paulo Abib Engenharia e a EIM), que chegaram a ter mais de 500 funcionários, e contar com centenas de pessoas de nível superior.
O Professor partiu prematuramente (devido a um câncer de fígado), mas deixou um legado cultivado pelos técnicos da área.
Com justiça, um busto seu em bronze adorna a entrada do Departamento de Engenharia de Minas da Poli-USP. Seu nome é também lembrado em grêmios estudantis em Minas Gerais e no Rio Grande do Norte e nas associações de classe tanto dos Engenheiros de Minas quanto da Indústria Brasileira de Fertilizantes.

quinta-feira, 26 de maio de 2011


Moçambique é um país da África Oriental, ou sudeste daquele imenso continente.
Faz fronteira com o norte da África do Sul e o sul da Tanzânia.
Faz ainda, a oeste, fronteira com o Zimbábue e a Zâmbia.
Tem, em quase toda sua costa, a gigantesca ilha de Madagascar à sua frente.
Da capital Maputo (a antiga Lourenço Marques dos tempos coloniais lusitanos), que não está longe de Pretoria e da Suazilândia (um reino encravado na África do Sul) e tem quase dois milhões de habitantes, voa-se quase dois mil quilômetros para a capital regional de Nampula, no meio Norte do país, e com cerca de 500 mil pessoas. Dali vai-se ao litoral, onde se chega ao porto de Nacala, ao largo da Ilha de Moçambique. O município de Nacala tem cerca de 200 mil habitantes.
Entre Nampula e Nacala acha-se a mina de Evate.
A Vale prepara-se para desenvolver a exploração comercial desse jazimento fosfático, com mina, beneficiamento da rocha e seu transporte ferroviário a Nacala, onde deverá ser instalado um complexo químico com Sulfúrico, Fosfórico e Fertilizantes.
Isso virá se somar aos investimentos já feitos por essa empresa na exploração da bacia carbonífera de Moatize (na província de Tete, no centro de Moçambique, cuja produção é escoada por ferrovia de 600 km até o porto de Beira, na provícia de Sofala, na costa centro-sul).
Assim abrem-se novas perspectivas aos 24 milhões de moçambicanos, que aos poucos vão se refazendo das dores de uma guerra civil entre a Frelimo de Samora Machel (marxista) e a Renamo que tinha suporte sul-africano. O acordo de paz entre os dois grupos só foi assinado em 1992 e o país ainda sofre com a presença de campos com minas terrestres e com o baixo desenvolvimento da agropecuária.
Nesse sentido há uma ação governamental importante do Brasil na assistência a esse país lusófono irmão e berço de muitos ancestrais de brasileiros: tratam-se de ações da Embrapa em transferência de tecnologia para Moçambique reforçadas com a execução e implementação de um projeto de cooperação trilateral (que inclui a França) em agricultura de conservação e apoio à pecuária leiteira.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

IFFCO em Paradeep - Índia

Fosfórico: só parece simples

Pegar um concentrado de rocha fosfática, reagir com ácido sulfúrico, filtrar o gesso e evaporar a água do ácido fraco para se ter um ácido concentrado.
Parece simples.
Mas não é. Cada rocha é uma rocha, e elas se modificam ao longo do tempo. São corpos minerais complexos. Ácido Sulfúrico não é brincadeira, bastante perigoso. As fábricas costumam produzir entre 600 a mais de 1000 toneladas de P2O5 (o anidrido do ácido é a unidade de medida) por dia. Faça as contas e verás que são centenas de toneladas de sólidos e líquidos corrosivos por hora.
Os materiais são sofisticados para enfrentar a abrasão e a corrosão. A ciência envolvida nas reações, nas operações unitárias e no controle ambiental não é brincadeira.
E para que um bando de técnicos loucos iria se dedicar a toda essa complicada confusão?
Por que ainda não se inventou sucedâneo para o fosfóro, sem o qual não há a agricultura moderna, os alimentos baratos que temos e, por fim, a sociedade como essa que inventamos!

terça-feira, 24 de maio de 2011

O grande projeto saudita de Ácido Fosfórico

The Phosphate Project aims to exploit a phosphate deposit located in the Al Jalamid site and utilise local natural gas and sulphur resources to manufacture Diammonium Phosphate “DAP”. Processing facilities at the Ras Az Zawr have also been designed with the flexibility to produce Monammonium Phosphate “MAP”, should production of MAP be considered more economically viable. DAP produced by the Phosphate Project will be sold primarily into the international markets. It is anticipated that the project will also produce quantities of ammonia and phosphoric acid not required in the production process, which can be exported or sold domestically.
The Phosphate Project will be developed in a joint venture with SABIC , through a limited liability company, Ma'aden Phosphate Company (MPC), incorporated in Saudi Arabia. A Joint Venture Agreement was concluded in 15 September 2007 by Ma'aden and SABIC.

Worley Arabia Limited has been appointed as the Project Management Consultant for the Phosphate Project. They will work closely with MPC, Ma'aden and SABIC to manage the overall implementation and execution of the Phosphate Project.

The Phosphate Project involves the development, design, construction and subsequent operation of two primary sites:

Al Jalamid
The Al Jalamid site comprises a phosphate mine, beneficiation plant and supporting infrastructure and encompasses an area of approx. 50 km². Mine production is expected to average approximately 12Mtpy of ore and beneficiation facilities at Al Jalamid will be scheduled to produce an estimated 5 Mtpy of flotation concentrate on a dry basis. Ma'aden's measured phosphate resources at Al Jalamid are estimated to be 534 Mt. It is proposed to mine 223 Mt for the Phosphate Project over its initial planned life of operations. A substantial amount of industrial infrastructure will be developed at the Al Jalamid site to support mining and beneficiation operations. This includes power plant, potable water production, treatment and distribution, roads and telecommunications.
Ras Az Zawr
The Ras Az Zawr site comprises a plot of land 90km north of Jubail on the coast of the Arabian gulf. A segment of the site is proposed to be used for the construction of the integrated chemical and fertilizer facility and related infrastructure for the Phosphate Project. Phosphate concentrate will be transported by rail from the Al Jalamid beneficiation plant to Ras Az Zawr for processing. The phosphate concentrate will be processed in a fertiliser production facility consisting of a phosphoric acid plant, a sulphuric acid plant, an ammonia plant, a DAP granulation plant, a co-generation plant and desalination plant, and other infrastructure.
It is estimated that the Phosphate Project will produce approximately 3 Mtpy of granular DAP, plus approximately 0.4 Mtpy of excess ammonia. It is also anticipated that the Phosphate Project will generate approximately 0.2 Mtpy of excess phosphoric acid for sales to the domestic market in Saudi Arabia.
The Company has rescheduled the date for initial production, originally envisaged by the end of the fourth quarter of 2010, to the second quarter of 2011 by which time the associated infrastructure and supporting utilities in Ras Az Zawr will be in completed. Commercial production is now expected to commence in the 3rd quarter of 2011. It is a 5.5 billion dollar investment.

sábado, 21 de maio de 2011

Cajati: breves notas históricas da Bunge (hoje Vale Fertilizantes)

"Minha cidade", para onde fui em 1990, começou a produzir fosfatos na década de 40. Vejam esse texto de Yara Kulaif da década de 1990.
Em 1905 foi fundada em Santos, SP, a S/A Moinho Santista e, em 1906, o grupo Bunge y Born começou a operar no Brasil com a compra do controle acionário da S/A Moinho Santista,
tendo sua sede sido transferida para a capital do estado de São Paulo em 1908.
Nas décadas de 20 e 30 diversificaram-se as atividades do grupo Bunge y Born no Brasil, expandindo-se para as áreas têxtil, química, de fertilizantes, cimento e mineração. Nas
décadas seguintes ocorreram novas diversificações, atingindo dessa vez as áreas de seguros, imobiliária, de informática e financeira.
Em 1936 a Moinho Santista adquiriu a empresa Cimento Róseo, que detinha a patente para produzir cimento pozolânico.
A SERRANA foi fundada em outubro de 1938, em Utinga, SP, inicialmente com o objetivo de pesquisar e explotar calcário para alimentar a fábrica de cimento, então em construção naquele
município. Porém, como a jazida de calcário mostrou-se inviável, a empresa mudou sua sede para o distrito de Cajati, município de Jacupiranga, na região do Vale do Ribeira, em São Paulo.
A QUIMBRASIL, também criada na década de 30, tinha na época a função de atuar na importação das matérias-primas básicas e mistura de adubos, além de desenvolver outras atividades relacionadas à produção e importação de produtos químicos, tais como pigmentos orgânicos e inorgânicos.
No final de 1940 a SERRANA venceu concorrência pública para arrendamento, pelo prazo de dois anos, do empreendimento industrial ligado à jazida de rocha fosfática, localizada em
Ipanema, SP. Em 1944 a empresa arrendou a jazida de Morro da Mina, em Cajati, SP, iniciando, no ano seguinte, as operações de lavra do minério apatítico residual dessa jazida. O beneficiamento desse minério consistia em operações unitárias simples de desagregação, classificação e separação magnética.
Em 1945 a QUIMBRASIL iniciou a produção de ácido sulfúrico e superfosfato simples (SSP) em uma fábrica localizada em São Caetano, SP, instalações essas que são expandidas em 1954, ao mesmo tempo em que foi inaugurada nova fábrica da empresa em Santo André, SP.
A SERRANA se preparou com antecedência para o esgotamento do minério residual do Morro da Mina, o que veio a ocorrer em 1969. Já no início da década de 60, tendo em vista a inexistência de experiência internacional de aproveitamento econômico de jazidas com baixos teores de P2O5 associados a rochas carbonatíticas, a empresa tomou a decisão de investir em uma tecnologia própria de beneficiamento.
Através da criação de um Centro de Pesquisa e Desenvolvimento, foi viabilizado um processo de flotação para separação da apatita dos carbonatos e sua posterior concentração até os teores de 35% a 38% de P2O5, adequados à fabricação de ácido fosfórico e superfosfatos.
O desenvolvimento dessa tecnologia foi efetuado sob a coordenação dos Professores Paulo Abib Andery e Geraldo Conrado Melcher, titulares do Departamento de Engenharia de Minas da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, tendo sido patenteada sob a designação de "Processo Serrana".
O projeto foi desenvolvido em etapas sucessivas (escala de laboratório, piloto e semi-industrial) ao longo de sete anos, tendo sido implantada, em 1969, a usina de beneficiamento, com capacidade inicial de 1,5 milhão de toneladas/ano.
Em 1971, com o objetivo de assegurar reservas adicionais de rocha fosfática, o grupo Bunge y Born associou-se ao grupo privado nacional Itaú e ao BNDE, em uma proporção de 40%,
40% e 20%, respectivamente, para criar a ARAFÉRTIL. Essa empresa obteve contrato de arrendamento da lavra da jazida do Barreiro, em Araxá, MG, com a CAMIG em 1972 [que depois viria ser a
As instalações das empresas do grupo Bunge y Born foram sendo ampliadas ao longo dos anos 70 e 80. Em 1972 foi inaugurada a fábrica de cimento em Jacupiranga, SP, e, em 1973 e 1974 entraram em operação, respectivamente, as fábricas de ácido sulfúrico e de ácido fosfórico da QUIMBRASIL, no mesmo município.
Desde o início dos anos 80, o Parque Industrial de Jacupiranga apresenta-se constituído como um complexo industrial integrado, de produção de concentrado de rocha fosfática, calcário para cimento e calcário agrícola (calcítico e dolomítico), cimento, ácido sulfúrico, ácido fosfórico de grau fertilizante, grau técnico e grau alimentício, superfosfatos, fosfato monoamônico (MAP), matérias-primas fosfatadas, granuladas e gesso químico (para agricultura, fabricação de cimento, indústria de construção civil e para carga de papel).
Em 1986 o grupo Bunge e a PETROFÉRTIL passaram a integrar a IFC, a partir da renegociação do projeto original e de seu redimensionamento, o qual ampliou de 600 mil toneladas/ano de concentrado fosfático para 900 mil toneladas/ano, além do planejamento de novas unidades de
ácido fosfórico e ácido sulfúrico.
Em outubro de 1987 deu-se início às atividades da empresa Fosbrasil, localizada em Cajati (ex-distrito de Jacupiranga), SP, uma associação do grupo Bunge (44,25%) com o grupo norteamericano Monsanto Co. (44,25%) e o grupo belga Chimique Prayon Rupel (11,5%). O grupo Monsanto é líder mundial na produção de químicos para a agricultura, indústria farmacêutica, fibras sintéticas, produtos plásticos e resinas, borracha sintética e equipamentos eletrônicos para controle de processos, com subsidiárias em vários países do mundo. A linha de produção básica da Fosbrasil é o ácido fosfórico grau alimentício e grau técnico, com capacidade anual de 40 mil toneladas/ano e ácido fluossilícico, como subproduto, com capacidade anual de 3 mil toneladas/ano. Essa foi a primeira unidade produtiva de ácido fosfórico purificado em operação na América Latina. Nesse setor está prevista para 1996 a duplicação da capacidade de produção de fosfato bicálcico pela Monsanto, sua sócia na Fosbrasil, que deverá ser de 16 mil toneladas/ano.
Em 1989 o grupo Bunge, através da QUIMBRASIL, criou, em associação com a FERTISUL do grupo Ipiranga, uma nova empresa, a IPIRANGA-SERRANA [ver perfil], com o objetivo de
atuar na comercialização conjunta de fertilizantes mistos NPK para o agricultor. Por acordo entre os acionistas, as duas empresas deixaram, a partir daquela data, de comercializar
aqueles produtos, para só fazê-lo através da nova empresa.
A produção de superfosfato simples (SSP) e superfosfato triplo (TSP) da QUIMBRASIL foi desativada em 1989, com o fechamento de suas instalações em Santo André, SP, e as de
rocha fosfática, ácido fosfórico e fosfato monoamônico (MAP) da SERRANA, de Cajati, SP, foram reduzidas, em 1990, em 60%, 50% e descontinuada, respectivamente.
Em 1990 a SERRANA iniciou um processo de treinamento e redução de mão-de-obra (de 2.509 empregados em 1990 para 859 em 1994) e foi a primeira empresa brasileira no setor de
cimento a obter a certificação pela ISO 9000. Em 1993 ela obteve a certificação ISO 9002 para os fosfatados.
Em 31 de dezembro de 1993 a SERRANA vendeu suas instalações, equipamentos, e arrendou seu parque industrial de cimento para a sua controlada QUIMBRASIL.
Durante o ano de 1995 foram feitos investimentos da ordem de US$ 25 milhões na construção de uma nova unidade de ácido sulfúrico, com capacidade de 1,8 mil toneladas diárias. Essa
nova unidade, que irá substituir a atualmente existente, deverá produzir ácido a um custo industrial bem mais baixo do que o atual, com impacto positivo em toda a linha de produtos
Na unidade de ácido fosfórico foram efetuadas atualizações tecnológicas no processo de produção, concluídas em março de 1995, que ampliaram em 50% a capacidade da unidade.
O grupo Bunge Brasil, controlado pelo grupo argentino Bunge y Born, passou por um processo de total reestruturação que atingiu grande parte de suas empresas no Brasil. Atualmente, o
grupo está estruturado em torno de holdings, que agregam as suas diferentes e variadas áreas de negócios. Para as áreas de fosfatados e cimento, onde a SERRANA de Mineração Ltda (exSerrana S/A de Mineração) e a QUIMBRASIL - Química Industrial Brasileira Ltda (ex-S/A) se enquadram, a holding, a antiga S/A Moinho Santista Indústrias Gerais, foi transformada em Serrana
S/A em 21 de dezembro de 1995, e seu novo presidente, empossado em 01.02.96, é o Sr. Mário Alves Barbosa Neto, ex diretor superintendente da FOSFÉRTIL e ex-diretor financeiro da MANAH. Quanto à QUIMBRASIL, além da mudança de razão social, ela incorporou outra empresa do grupo, a Cimento e
Mineração Bagé S/A.
A Fosbrasil detém atualmente uma fatia de 37% do mercado de fosfato bicálcico para ração animal (sic). Este mercado tem crescido bastante nos últimos anos no Brasil, puxado principalmente pela avicultura. Os seus principais concorrentes nesse ramo são a Fertilizantes Mitsui S/A, a IAP, a
Em 31 de julho de 1996 a SERRANA S/A anunciou a compra do controle acionário da FERTISUL, consolidando definitivamente o papel de segundo grupo estratégico dentro do setor de
fertilizantes do Brasil.
Em janeiro de 1997 a SERRANA assinou um compromisso de compra e venda de suas atividades na área de cimento com a Cimpor - Cimentos de Portugal, S.G.P.S., S/A.

A Bunge Fertilizantes foi depois a consolidadora da indústria de fertilizantes no Brasil (Comprou a IAP, Manah, Elekeiroz e Takenaka) e ficou majoritária na Fosfértil Ultrafértil, e todo esse patrimônio foi comprado pela Vale em 2010.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

South African Phosphoric Acid

South Africa, through Foskor, is a significant exporter of phosphoric acid.
Foskor’s Richards Bay plant has a current annual capacity of 725 000 tonnes of P2O5.

domingo, 15 de maio de 2011


A Mineração Rio Tinto (uma das concorrentes da Vale, na mineração em geral) deve seu nome a um Rio que, junto com o Odiel, formam o estuário de Huelva, na Andaluzia.
Ali se ustulavam piritas e não tinham o que fazer com o ácido sulfúrico.
Trouxeram o fosfato de Layoune, hoje Marrocos, mas então Sahara Español.
E ali até hoje tem plantas de ácido fosfórico da Rhodia, da Fertibéria e da FMC Foret!

La história de Hoechst en Argentina y un poco de la história de la Via Térmica en Sudamérica.

En empezos del siglo veinte, en los arrededores de Buenos Aires, un barrio de nombre Mataderos concentrava los...próprios mataderos...y habia una profusión de producciones derivadas (cueros, grasa, huessos, etc).
Los huesos foram la materia prima clave para la instalación de la química alemana Hoechst Aktiegselchaft. Hoy esta empresa aún se llama Sudamfós, se ubica en el mismo sítio y aún produz fosfatos.
Pero vamo-nos ao ácido fosfórico de via térmica. Apatita, o bien, fosfatos de cálcio, suellen ser reducidos por carbon, sílica y energia, en hornos de arco elétrico. Se Produce P4, fósforo elemental (también llamado de fósforo o blanco, o si mas "súcio", amarillo o rojo).
Y el P4 és pirofórico, se encende al aire, se quema y produz P2O5. Que se absorve en água y se obtine el H3PO4 muy puro, el Ácido Fosfórico de Via Térmica. Em Buenos Aires se produzió P4 y H3PO4 de huesos por décadas. Ahora mismo no más, por los custos de energia. P4 venia de Holanda y de Cazaquistan, ahora no más?
Una planta de H3PO4 tambien opera en Cartagena, de Colômbia, la finada PAAD que ahora suelle ser un entreposto de Innophos.
Y acá en Brasil, la "mia" Fosbrasil sucedió, con PPA, la desde 1987 cerrada planta de Monsanto (ahora ICL) en San José de los Campos.

sexta-feira, 13 de maio de 2011

Gypsum is sometimes critical

We all know that a Phosacid Plant is, in terms of weight, a gypsum plant (H3PO4 is, in mass, a "co" or a "by"-product...). 3 ton of H2SO4 for 1 ton of P2O5, average. "All" SO4, plus "all" Calcium goes to the gypsum.
Where is still possible to stockpile all this phosphogypsum?
Remember the sad and notorious serie of some glorius Phosacid Plants that where shutdown due to lack of permits for gypsum piles (in Belgium and Holand to name a few).
Send gypsum to the atlantic Ocean, or another sea, is being put outdated, for environmental and comunitary issues.
Good gypsum is a key.
Good enough for agriculture? Yes.
For cement? Ok!
Even for plaster board, construction, houses!
We all phosacid engineers and alike are claimed to study how to sell with profit and with zero environmental impact our gypsum.